Terapia da Fala

Patologias abrangidas pela Terapia da Fala

  • - Alterações de Voz (ex.: decorrentes de nódulos, pólipos, edemas, má colocação vocal, cirurgias à cervical, tiróide, traumatismos faciais, etc…);
  • - Distúrbios da Articulação Temporomandibular;
  • - Alterações da Articulação Verbal (substituição, omissão ou distorção de sons da fala);
  • - Alterações de Linguagem (perturbações específicas, atrasos…);
  • - Treino de Comunicação;
  • - Sequelas de AVC (Acidente Vascular Cerebral), TCE (Traumatismo Crânio-Encefálico) e Traumas de face;
  • - Consultas de Avaliação de Objectivos e Orientações;
  • - Motricidade oro-facial;
  • - Respiração;
  • - Mastigação/Deglutição;

Relação entre terapia da fala e ortodontia
Existem estruturas estáticas, como o palato duro, as arcadas dentárias, a mandíbula, maxila e estruturas dinâmicas, como os músculos da expressão, músculos da mastigação, da língua, lábios, faringe e pescoço. Este conjunto de estruturas chama-se sistema estomatognático e são consideradas funções estomatognáticas a mastigação, sucção, deglutição, fonação, articulação e respiração. As partes dinâmicas (unidade muscular) influenciam as partes estáticas e vice-versa. A Terapia da Fala é responsável pelo tratamento das estruturas dinâmicas e a Ortodontia pelas estruturas estáticas.

Por ser um sistema interdependente e desenvolver funções comuns, está sujeito a interferências estruturais e funcionais, ou seja, qualquer alteração num dos seus componentes determinará um desarranjo geral.

Assim, as funções trabalhadas na Terapia da Fala, como a respiração, a mastigação, a deglutição e a fala podem interferir com a arcada dentária. Por seu turno, alterações estruturais da arcada dentária podem interferir no desempenho destas funções.

Para se equilibrar o sistema estomatognático são necessários diversos factores, tais como, músculos faciais, labiais e linguais que funcionem em equilíbrio; arcadas dentárias com oclusão normal e ausência de hábitos nocivos como:

  • - Uso de chupeta, biberão, chuchar no dedo.
  • - Bruxismo: Hábito de ranger os dentes.
  • - Briquismo: Hábito de apertar os dentes.
  • - Morder as bochechas.
  • - Projecção da língua durante a deglutição e a fala.
  • - Posicionamento inadequado da língua durante o repouso pressionando os dentes.
  • - Mastigação unilateral.
  • - Respiração oral.
  • - Alterações posturais.

Na Ortodontia os dentes são mantidos em equilíbrio devido à actuação de forças de contenção internas e externas, portanto se não se efectuarem ajustes funcionais (musculares) existe a possibilidade de recidivar, ou seja, de voltar a alteração dentária que tinha antes de efectuar o tratamento ortodôntico. Sendo assim, o trabalho associado entre a Ortodontia e a Terapia da Fala é essencial para um tratamento rápido e eficaz.

Objectivos da Terapia da Fala nestes casos:

  • - Promover o equilíbrio funcional (muscular), através de exercícios específicos para os lábios, língua e restantes estruturas orais e faciais;
  • - Adequar funções de mastigação, deglutição e respiração;
  • - Corrigir alterações posturais;
  • - Eliminar gradualmente os hábitos nocivos.

Terapeuta



Sofia Teixeira - Terapeuta Pós-Graduada em motricidade Oro-Facial